Miragem

Miragem

quinta-feira, 22 de abril de 2010

I

A lenha já crepitava na lareira onde todos os dias a panela de ferro cozinhava o sustento da família

Era manha cedo, no sinos da torre da igreja soavam as aves marias, sinais sonoros de um amanhecer em paz com os Deuses e a natureza.

A cozinha um espaço pequeno e simples onde a mesa encostada a parede servia para todas as actividades da família. Preparar o comer, descansar e para os miúdos fazerem os deveres quando chegavam ao fim da tarde da escola.



Era ali que tudo se passava, naquele pequeno espaço.Erra ali que se comemoravam as alegrias e se choravam as tristezas de uma familia tipica da aldeia.



Como todas as manhas Joana acendia o lume e começava a preparar a sopa que alimentava a sua família. Na lareira duas panelas de ferro aqueciam ao lado de uma fogeira a crepitar.

Erra logo de manha que a sopa de feijão,alimento principal na refeição do dia ia sendo confeccinada..Um pedaço de carne de porco,os feijões a cenoura,as batatas e a cebola ferviam mansamente na panela deixando um aroma agradavel espalhar-se pela casa.



Os filhos ainda ensonados levantavam se mais tarde para engolir umas magras sopas de café com broa e ir para a escola.

O marido ainda não tinha chegado do turno da noite na fábrica.

Joana carregava no ventre mais um filho, prestes a nascer, e carregava também a solidão e a impaciência de um parto feito pelas próprias mãos. O corpo começara já a dar sinais que a criança não tardava a chegar.

Joana preparava então a bacia da água morna, as toalhas lavadas e a tesoura com que iria cortar o cordão umbilical daquela criança.

Na solidão do seu quarto ,uma peça pequena da casa ,onde só cabiam a cama e uma cadeira,Joana, iniciava o processo transcendente da libertação daquele corpo pequenino do seu ventre para a luz do mundo.

Os gritos de dor eram silenciosos

-De que adiantava gritar

-Dizia ela. Não haveria ninguém para acudir. De cócoras agarradas aos ferros da cama a criança nascia.

Joana pegava então naquele pequeno ser, embrulhava-o nas toalhas brancas,limpava-o,dava-lhe o primeiro banho e deitava-se na cama a espera que o marido chegasse do turno da meia-noite.

Sem comentários:

Enviar um comentário